A prova da marcha dos 6 minutos

A utilidade do teste da marcha

 

Durante o dia-a-dia não vai estar sempre deitado ou sentado, mesmo que passe muito tempo a ver televisão na cama ou a ler no sofá. Como o ser humano não está em sempre em repouso, a não ser que viva uma vida completamente sedentária e dependente de outros, até a realização de tarefas básicas e comuns, como caminhar, cozinhar ou tomar banho, impõem um maior esforço ao sistema cardiorrespiratório e podem tornar a sua vida um verdadeiro pesadelo. É comum que as pessoas com DPOC sintam estas dificuldades por vários anos, no entanto, para outros doentes pode mesmo representar o primeiro sinal da doença e o motivo que os leva a recorrer ao médico e a finalmente dar de caras com a DPOC.

Os médicos sabem que a influência da doença na capacidade de a pessoa viver o seu dia a dia é demasiado grave para ser ignorada, por isso os testes de exercício podem fornecer informações muito úteis e complementarem o exame de função respiratória em repouso. No fundo, dão mais pormenores sobre o verdadeiro impacto doença ao avaliar todas os momentos da vida de uma pessoa.

Mas não se preocupe que não é nada de complicado, e tal como o exame anterior, a Prova da Marcha de 6 minutos é um exame simples e não invasivo, que permite a avaliação objetiva da sua capacidade física funcional, sendo que apenas terá de percorrer a distância máxima que conseguir até 6 minutos, caminhando numa superfície plana e estando sempre vigiado por um profissional de saúde.

Também aqui contamos com a preciosa colaboração da cardiopneumologista Marisa Rodrigo para tornar esta explicação o mais prática possível.

  

Isto é mesmo importante? 

O teste da Prova da Marcha de 6 minutos está especialmente indicado nas pessoas com DPOC, pois reflete a tolerância da pessoa para fazer face às atividades diárias mais exigentes e que podem provocar mais dificuldade na sua realização. O resultado deste exame permite perceber se a função pulmonar consegue suportar e facilitar a realização das rotinas mais ou menos exigentes, levando a adoção de um plano ou de medidas que possibilitem contornar esses obstáculos.

Também permite que o seu médico avalie o efeito que a terapêutica, sejam os medicamentos, cirurgia ou a reabilitação tiveram na evolução da doença, sendo uma das formas que temos para vigiar a DPOC. É igualmente um exame importante porque permite perceber qual o risco do doente na realização de uma cirurgia pulmonar complexa, como o transplante pulmonar. Por fim, é fundamental para estimar o prognóstico da doença.

 

Um resumo do que vai acontecer

Tal como acontece na Espirometria e outras provas funcionais respiratórias, também este exame é realizado sob observação direta de um cardiopneumologista. Utiliza-se geralmente um corredor do Hospital ou da clinica escolhida, com 2 marcas ou cones (um em cada extremidade do percurso), afastados entre si por uma distância de 30 metros.

  1. O técnico vai recebê-lo e explicar-lhe como funciona o exame e esclarecer as suas dúvidas. Além disso, procede à medição do seu peso e altura; regista a sua medicação habitual, e avalia a necessidade da utilização de oxigénio durante o teste e/ou o uso de auxiliares de locomoção, como muletas.
  2. Antes do teste, deve estar em repouso, preferencialmente sentado e descansado, durante pelo menos 10 minutos. Nesse período são avaliadas a saturação periférica de oxigénio, a frequência cardíaca e a pressão arterial.
  3. Antes de iniciar a marcha, vai ser questionado sobre a sua sensação falta de ar e cansaço, utilizando uma escala específica para o efeito.
  4. Dá-se início à contagem do tempo e será convidado a iniciar a sua marcha, percorrendo o trajeto determinado o maior número de vezes possível, durante 6 minutos.
  5. Nesse intervalo de tempo, poderá andar mais devagar, parar e descansar, no caso de precisar. Contudo, o cronómetro não parará, pelo que deverá retomar a marcha logo que possível.
  6. Durante a prova estará sempre acompanhado pelo cardiopneumologista, que lhe dará informações como o tempo disponível e estará preparado para agir caso tenha alguma dificuldade.
  7. No final do teste são novamente avaliadas a saturação de oxigénio, a frequência cardíaca e a pressão arterial, bem como a sensação de falta de ar.
  8. É calculada a distância percorrida. Não se preocupe, neste exame não vai ter que repetir.

O doente percorre a distância entre 2 marcas durante 6 minutos, estando sempre a ser controlado e incentivado pelo técnico. Ao longo do tempo irá responder a perguntas simples para avaliar o esforço e o cansaço.

Preciso de preparar-me como se fosse para uma maratona?

Muitos dos doentes ficam um pouco assustados quando lhes dizem que vão ter que realizar uma prova da marcha. Eu acredito que fiquem momentaneamente a pensar que vão correr a maratona ou algo parecido, e perguntam se têm de ir treinar ou comprar umas sapatilhas especiais, ou então acham que não estão preparadas para a completar e têm receio de passar uma grande vergonha. Esteja tranquilo, não é necessária nenhuma preparação, a maioria dos doentes tolera o esforço sem qualquer complicação.

Contudo recomenda-se:

  • Usar roupa confortável e calçado adequado – assim vai poder caminhar à vontade, sem dores e sem provocar lesões musculares. É melhor evitar trazer sapatos com salto alto…
  • Não interromper a medicação habitual, salvo indicação da parte médica. A não realização do tratamento de controlo vai de certeza diminuir a capacidade respiratória e por isso afetar os resultados desta prova.
  • Não realizar atividade física vigorosa até 2 horas antes do exame – se estiver cansado, pode alterar o rendimento durante a prova e dar uma sensação de que esteja pior do que efetivamente está.
  • Utilizar os auxiliares de marcha habituais (bengala/canadiana) – o nosso objetivo é avaliar o seu desempenho no dia-a-dia, pelo que se anda com bengala na rua, na prova também deverá usar.
  • Não necessita de qualquer aquecimento.
  • Não venha em jejum. Deve fazer uma refeição ligeira – precisa de ter energia para caminhar!
  • Se tem indicação para fazer Oxigénio portátil leve o aparelho consigo.