Câmara expansora

Um dos grandes motivos para que continue a sentir os sintomas da DPOC é a má adesão ao inalador. Uma razão para isso acontecer é quando a pessoa não consegue realizar todos os passos adequados da técnica inalatória ou se não têm capacidade para fazer com que o produto que contém o medicamento consiga chegar eficazmente às zonas mais distantes das vias aéreas. Isto aborrece toda a gente, sejam os médicos ou os doentes. Felizmente, existem algumas opções para conseguirmos contornar esta dificuldade.

Refiro-me principalmente aos mais idosos, para quem pode ser difícil gerir e coordenar os movimentos da mão e da respiração de forma a garantir que o medicamento seja adquirido pelas vias aéreas de forma eficaz. Além disto, algumas pessoas são intolerantes aos efeitos irritantes do aerossol quando se depositam na boca. Para estes casos recomenda-se o uso de uma Câmara expansora, que pode ser adquirida nas farmácias com prescrição médica, que recentemente passaram a ser comparticipadas, diminuindo o custo para si.

Estes dispositivos, para além de não provocarem o efeito de irritação das vias respiratórias, permitem que o doente inspire e expire enquanto assimila o medicamento, sem ter de recorrer, por exemplo, a inspirações profundas ou a suster a respiração. Desse modo não precisa de fazer tanto esforço para que o medicamento entre para dentro das vias aéreas, cansando-se menos. Alguns estudos mostraram que com este dispositivo quase metade da dose do medicamento chegava a zonas mais distantes dos brônquios, comparativamente a não o usar.

Uma câmara expansora contém um reservatório e 2 pontas ou extremidades: numa tem o bocal onde vai colocar os seus lábios e iniciar os movimentos respiratórias. Na outra ponta encontra-se o local onde vai inserir o inalador para a DPOC. A nuvem de vapor ao ser transferida para o reservatório perde velocidade e fica tão fina que a maioria das pessoas não sente nada à medida que respiram – nem o cheiro! As partículas são assim transferidas para o pulmão de um modo mais eficaz, em vez de embateram na língua ou na zona conhecida como “garganta”, o que pode acontecer após a explosão produzida pelo inalador pressurizado, perdendo-se bastante medicamento e aumentando o risco de reações adversas.

Como deve usar

Primeiro – remova as tampas do inalador e da câmara expansora.

Segundo – agite bem o inalador e de seguir conecte-o ao dispositivo, mantendo-o direito (o inalador deve estar na posição vertical).

Terceiro – faça uma expiração profunda, para expulsar o ar para fora.

Quarto – coloque os lábios na ponta da câmara contrária ao local onde está inserido o inalador. Certifique-se que os lábios estão bem aderentes ao bucal para não desperdiçar nenhum produto.

Quinto – pressione o inalador para libertar o produto para dentro do reservatório.

Sexto – inspire de forma lenta e profunda pela boca, e de seguida faça mais 3-4 ciclos de inspiração e expiração.

Por fim pode retirar a boca e colocar as tampas.

Estas câmaras só devem ser usadas com inaladores pressurizados e não com os de pó-seco.

Como cuidar do dispositivo

Deve lavar a tampa e o bucal do aparelho todas as semanas, se possível com água morna e detergente. Recomenda-se que uma vez por mês deve lavar a câmara com água e detergente da louça, deixando o aparelho submerso durante 30-60 minutos. De seguir, pode enxaguar e deixar secar na posição vertical.

Sugere-se que seja substituída todos os anos. A limpeza e a manutenção de um bom estado de higiene desta câmara permitem impedir a acumulação de sujidades e de bactérias bem como garantir que o produto é todo inalado e não fique desperdiçado.