Vamos evitar as infeções respiratórias!

Guerra aos virus e bactérias!

 

Quem tem DPOC vive com a dificuldade recorrente em conseguir eliminar as secreções respiratórias produzidas pelos seus pulmões, que para além de poderem conter bactérias ou outros agentes perigosos para os pulmões, são um meio de crescimento muito agradável principalmente para os agentes bacterianos. As bactérias são peças importantes no desenvolvimento de Pneumonias, mas também ps virus têm um papel no ocorrência de uma infeção pulmonar, já para não falar na terrível gripe.

Sabemos que uma pessoa com DPOC apresenta um risco acrescido para a ocorrência de infecções pulmonares, que podem agravar a DPOC e até levar a um internamento.

Não tenha dúvidas de que é importante que esteja atento aos primeiros sinais de infecção, por isso siga estas dicas para o ajudar a prevenir estes processos infecciosos. Não se esqueça que a prevenir é que está o ganho.

 

O que posso fazer.

Para começar certifique-se que a sua casa é bem limpa regularmente e que o pó e poeira são completamente eliminados. Esteja atento ao aparecimento de mofo ou bolor, por exemplo na casa de banho.

Nem sempre é possível controlar estas coisas, mas evite abrir as janelas de sua casa durante muito tempo se na vizinhança estiverem a ocorrer obras ou existirem muitos locais em construção ou obras – as poeiras são um perigo para um pulmão já doente. Uma forma de contornar este perigo, principalmente se tiver que ir para o jardim ou fazer qualquer afazer no exterior, é usar uma máscara protetora na cara. Deve esforçar-se também para evitar a poluição do ar, seja o fumo dos automóveis, de fábricas, incluindo fumo do tabaco, ou oriundos de uma lareira ou de um fogão a lenha. Durante a Primavera deve também evitar os pólens.

Se tem amigos ou familiares com gripe talvez não seja a melhor altura para eles o visitarem a sua casa. A infeção gripal propaga-se muito facilmente e é muito perigosa para quem tem DPOC.

Se tem indicação para realizar oxigénio ou tem um ventilador em casa (BiPAP) tenha o máximo cuidado com o aparelho – deve estar sempre limpo. Estes dispositivos, tal como os seus inaladores, apenas devem ser usados por si, e tenha cuidado de modo a que não seja conspurcado por um neto mais aventureiro ou um animal farejador.

Conforme referimos num capítulo sobre este assunto, é importante que os doentes com DPOC mantenham uma dieta equilibrada. Uma nutrição adequada é essencial para ajudar o organismo a resistir e combater a infecção. Coma alimentos de todos os grupos de acordo com a famosa roda dos alimentos.

Não se esqueça de se manter hidratado – é recomendado que beba bastante líquidos, nomeadamente água – exceptuando se não for recomendado pelo seu médico.


Quando cozinhar lave com frequência as mãos com sabão e água morna, mas também na altura de comer, tomar medicamentos, depois de tossir ou espirrar, usar a casa de banho, ou de tocar em outras pessoas – Pode não parecer mas as mãos são um dos melhores veículos para a propagação de uma infeção. Evite também esfregar os olhos, o que facilita a transmissão de germes das vias para os canais lacrimais.

.

Importante: evitar substância irritantes para a via aérea inferior

Os pulmões de quem tem DPOC são sensíveis a certas substâncias irritantes que se encontram no ar que respiramos, tais como: fumo de cigarro, gases provenientes dos carros, perfumes fortes, produtos de limpeza, tinta / verniz, poeira, pólen, caspa de animais e poluição do ar. Se a temperatura estiver muito quente, seca ou húmida os seus pulmões também podem ficar irritados. Não se esqueça de que se as vias aéreas estiverem irritadas é mais fácil desenvolver-se uma infeção.

Recomenda-se que evite ou peça a quem está à sua volta para não fumar ou então opte por não se sentar ou comer em locais onde seja permitido fumar. Opte por locais para não-fumadores.

Evitar andar de carro em horas de ponta, perto de zonas industriais e em garagens subterrâneas. Deve abster-se de usar perfume, loções perfumadas ou produtos de higiene que o incomodem a respirar.

Mantenha os animais fora da casa, especialmente se tem algum grau de alergia aos mesmos.

.

Identifique a infeção o mais precoce possível

Embora a maioria das infeções consiga ser tratada e eliminada com sucesso, o atraso na sua deteção pode aumentar a gravidade da mesma, por isso o doente com DPOC deve ser capaz de reconhecer os sintomas iniciais da infeção.

É frequente que sinta mais dificuldade em respirar, por vezes com uma sensação de dor nas costas ao respirar ou tossir. Pode surgir também pieira e a tosse costuma ser bastante mais frequente e com as secreções a ficarem mais escuras. Relembramos que secreções brancas são normais, mas quando ficam amarela-escuras ou verdes a situação é mais preocupante, uma vez que a probabilidade de traduzirem infeção é maior.

Normalmente pode sentir febre, pelo que deve ter um termómetro sempre em casa para avaliar a temperatura corporal. É possível que sinta arrepios de frio no corpo e fique mais facilmente cansado ou com fadiga.

Outras queixas como dor de garganta, obstrução nasal ou dores de cabeça podem também acontecer, principalmente se associadas a quadros gripais ou de infeção da via aérea superior.

.

Devo ter uma infeção e agora?

 

Nos casos em que pondere ter uma infeção deve recorrer ao seu médico de familia preferencialmente ou ao Hospital se achar que a situação é muito grave. Não se esqueça que os Hospitais são locais onde estão doentes graves e que podem ter processos infecciosos com bactérias mais perigosas, pelo que se poder evitar deslocar-se aos Hospitais deve-o fazer.

Não se esqueça que não deve tomar medicamentos sem indicação médica, principalmente os antibióticos, uma vez que isso potencia o aumento da resistência das bactérias a esses fármacos, para além da possibilidade de ocorrerem outros efeitos adversos.