Exercite-se

Porque é importante manter-se ativo na DPOC?

É comum que as pessoas com DPOC tenham uma vida algo sedentária, principalmente pela falta de ar que sentem com a realização de esforços, por vezes mesmo durante atividades simples. Nestes casos, existo o risco de se iniciar um ciclo vicioso, em que a ausência crónica de movimento torna as fibras dos músculos menos resistentes e assim fica ainda mais difícil realizar até atividades fáceis e básicas. Em conclusão, as pessoas com DPOC passam a tolerar cada vez menos esforços e ficam mais dependentes.

A realização de exercício regular foi associada a uma melhoria do funcionamento do coração, que assim consegue bombear o sangue mais eficazmente e também a nível vascular e da pressão arterial. Destacamos o exercício fisico regular, principalmente o do tipo aeróbio, que promove o aumento da massa muscular dos músculos que auxiliam a respiração, bem como leva a outros benefícios na manutenção de um nível satisfatório da capacidade pulmonar.

.

.

Para além disto, o exercício é considerado por muitos como um antidepressivo natural, diminuindo o stress e relaxando a pessoa. Se a doença o deixa nervoso, triste e irritado, esta pode ser uma forma natural e saudável de saltar por cima desta contrariedade.

Nós sabemos que é difícil para uma pessoa com DPOC aguentar as dificuldades respiratórias nas atividades do dia-a-dia. Quando um médico lhe diz que tem que fazer exercício, é normal que exista alguma descrença, irritação ou tristeza, pois ninguém mais do que o próprio sabe das muitas dificuldades que vai sentir quando tentar iniciar a caminhada ou outro tipo de exercício. No entanto, as vantagens de fazer exercício físico regular são inegáveis e fundamentais na manutenção de um estado de saúde global satisfatório.

Existem várias opções disponíveis para optar, escolha a que mais se adapta a si e varie de vez em quando, para não ficar farto de fazer sempre o mesmo. Convém ter alguma alegria e gosto, para se sentir motivado. Não se esqueça que para além de estar a combater a falta de ar está também a melhorar a sua qualidade de vida. Isto não vai afetar apenas a capacidade respiratória mas sim todo o organismo, contribuindo para se sentir mais saudável e feliz.

.

.

Pode caminhar ou marchar, é simples e natural. É particularmente interessante se não está habituado ou nunca teve o hábito de exercitar-se regularmente. Pode ser feito em qualquer lugar, é grátis e permite que controle o esforço.

E porque não uma bicicleta? Está a exercitar as suas pernas, o que é muito importante, uma vez que precisa delas para andar e deslocar-se no dia-a-dia. Pode ser uma bicicleta normal para andar na rua ou então uma estática, que pode colocar na sala, garagem ou recorrer ao ginásio da sua vila ou cidade.

.

.

E porque não nadar? Se tem piscina ou vive numa zona com piscina pública tem uma excelente opção para praticar regularmente um exercício em que trabalha quase todos os músculos importantes na respiração, bem como é óptimo para controlar a própria ventilação. Não se esqueça de que não deve exagerar e tenha cuidado com o calor se a piscina for exterior. No caso de ser interior certifique-se que o cloro não o perturba, pois em algumas pessoas foi suficiente para provocar uma exacerbação.

Por fim, é importante reforçar e estimular um dos principais músculos envolvidos na respiração, o diafragma, localizado entre a região torácica e a abdominal. Para isso, experimente deitar-se com os joelhos dobrados ou sentar-se numa cadeira larga, com uma mão no peito, e outra por baixo do externo. Inspire lentamente de forma a que, com os movimentos, a mão posicionada inferiormente se mova. Agora, expire com os lábios franzidos e aperte a barriga. A mão no peito não se deve mover. Faça isso durante 5 a 10 minutos, três ou quatro vezes por dia. É fácil!

.

.

Falaremos mais sobre exercícios e dicas de treino na secção da Reabilitação Respiratória. Se quiser saber mais pode também consultar as dicas do Dr. Alexandre Marques e Dr. Vitor Pinheiro (Medicina Desportiva) e dos nossos fisioterapeutas especialistas em Reabilitação Respiratória que convidámos para colaborar no nosso livro “Tudo sobre DPOC”, a publicar no final de 2017.