Vencer o estigma

O impacto social e psicológico

Para muitas pessoas ter DPOC é motivo de vergonha ou então de censura por parte dos seus amigos e familiares, levando a um conjunto de consequências psicológicas e psiquiátricas que se podem enquadrar no âmbito do estigma social da DPOC.

Para começar, quando muitas das pessoas com DPOC precisam de carinho e força para vencer esta adversidade e tentam discutir com outras pessoas sobre a sua doença, sentem-se culpabilizadas e criticadas pelos próprios familiares ou amigos, pois uma grande parte da população ainda vê esta doença como sendo algo provocado e da exclusiva responsabilidade do próprio, quase como se fosse um crime, principalmente devido à sua relação com o consumo de tabaco.

O estigma em torno da DPOC (e do tabagismo) afeta negativamente todos os envolvidos na assistência ao doente, mas essencialmente e perigosamente a pessoa que tem a doença. Devido a esta espécie de bullying estes doentes sentem-se menos motivados a procurar ajuda, porque ou já foram ou têm medo de ser criticados. Por outro lado, os profissionais de saúde têm dificuldade em obter informações dos seus doentes, porque eles receiam ser julgados e escondem a verdade ou os seus medos, o que também não contribui para ajudar à resolução do problema.

Para iniciar esta mudança em torno da DPOC, os médicos e restantes profissionais de saúde devem, em primeiro lugar, compreender a condição dessas pessoas, e evitar culpabilizar em demasia o doente, principalmente se este já abandonou o tabagismo, por exemplo. Também pode ser importante para si conversar com outros doentes uma vez que isto poderá ajuda-lo a ganhar progressivamente mais confiança e coragem para começar a discutir a sua doença de uma forma mais aberta e honesta. Por exemplo, porque não utiliza a nossa página no Facebook para discutir as suas experiências com outros doentes?

O efeito do estigma social num doente com DPOC pode ser tão debilitante quanto a própria doença. Aprender a reconhecer o estigma e superá-lo vai ajudar a todos, desde os doentes aos médicos e familiares.

Não fique calado. Não fique parado. Não fale para dentro. Saia de casa, abandone a tristeza, não deixe morrer as suas amizades e procure ajuda. Vai sentir-se melhor e a sua DPOC também dará menos problemas.